Artigo


Demonização dos servidores


Publicado 05 de setembro de 2020 às 07:00     Por José Medrado*     Foto Arquivo Pessoal

Antes da abordagem da semana, quero registrar minha alegria e satisfação para escrever aos leitores de Sergipe, em especial de Aracaju que anualmente – antes da pandemia – vou a convite do Prosebem [Pronto Socorro Espiritual Bezerra de Menezes], fazer palestra no teatro Atheneu, sempre acolhido com muito carinho e amizade.

Pois bem, mais uma vez vemos o plantonista do Governo Federal lançando a sociedade contra os servidores públicos, em geral. É fato, claro, que em todos os segmentos têm os comprometidos com a seriedade, honradez e os que se encostam, desviam condutas e comportamentos, porém o que sempre se faz é exatamente lançar pechas de oportunistas, ineficientes e incapazes aos servidores. De logo, fui servidor federal durantes 37 anos, hoje apostado, e tive o meu acesso por árduo concurso, diga-se, forma democrática, aberta a qualquer um. Verificamos, em outro lado, que os grandes “encostados” são, em geral, os de livre nomeação, em cargo político de confiança que, não raro, segue a lógica da amizade e de outros interesses, nem sempre confessados.

Há pontos, assim, na tal reforma administrativa que demandarão esclarecimentos do governo, mesmo sabendo que só valerá para os novos que entrarem: Quais os servidores públicos que têm férias de 60 dias, ressalvados, promotores e juízes que, por sinal, estão fora da reforma, como os parlamentares? Os servidores de carreira não têm este privilégio. A população sabe que os servidores aposentados continuam pagando previdência? Pois é, não deixamos de pagar mesmo aposentados. A questão da estabilidade guarda a sua lógica na blindagem de governantes, por exemplo, que queiram perseguir funcionários que não coloquem em prática seus devaneios de momento.

Cria-se então maior observância da avaliação desempenho – já que ele existe no estágio probatório e não é realmente observado durante a carreira, apesar de existir. Preocupante, no entanto, quando se lança mão deste argumento para deslocar os que não atendem à vontade do gestor. Lembremos: o presidente Bolsonaro estava querendo mudar a direção da Polícia Federal do Rio de Janeiro e justificou se apoiando na questão de desempenho, porém a própria instituição demonstrou que era a das mais produtivas do Brasil. Recentemente, um tal relatório, dossiê…seja que nome for, que trazia levantamento de nomes de funcionários de grupo antifascista veio à tona. Ora, e a tal liberdade de expressão? Não ao vandalismos, a lei sobre os vândalos, mas o que é ser fascista? Não é bom ser anti ele?

Poderíamos levantar aqui inúmeros outros casos, mesmo sabendo que há necessidades de reparos, sim. O contribuinte precisa ser bem atendido, respeitado em seus direitos, buscar mecanismos de prevalência destes direitos – deveres dos servidores, mas os funcionários públicos não são os absolutos responsáveis por todos os desalinhos que há nas administrações públicas. Mania de se querer demonizar o servidor público e colocar a sociedade contra todos.

*José Medrado é líder espírita, fundador da Cidade da Luz, palestrante espírita e mestre em Família pela UCSal. Também é apresentador de rádio e escreve para o AjuNews aos sábados.



Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso


Publicidade
Justiça

Por divulgação de obra no Japãozinho, Justiça determina que Edvaldo exclua vídeo das redes sociais

Justiça
Mais Lidas
Publicidade


Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.