Artigo


Valorização da vida


Publicado 13 de setembro de 2020 às 10:12     Por José Medrado*     Foto Arquivo Pessoal

O setembro se tornou amarelo por iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria. Tudo tristemente motivado porque em 1994, um jovem americano de apenas 17 anos, chamado Mike Emme, tirou a própria vida em seu mustang 1968 amarelo. Seus amigos e familiares durante o seu funeral distribuíram cartões com fitas amarelas e mensagens de alerta para as pessoas que, porventura, estivessem passando por algum problema gerador de grande tristeza.

As estatísticas são desalentadoras e precisamos nos mobilizar, pois uma das principais causas de morte no Brasil e no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde tem sido exatamente o suicídio. Imaginemos que a cada 40 segundo uma pessoa comete a auto morte. As questões para se tirar a própria vida é multifatorial, porém estudos realizados pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) remetem que 17% dos brasileiros, em algum momento, já pensaram seriamente em dar um fim à própria vida e, infelizmente, desses, 4,8% chegaram a elaborar um plano para isso. Esse estudo também traz à luz a necessidade de se quebrar o tabu que ainda existe sobre o não querer falar sobre essas questões. Não. É preciso falar, sim, e abertamente sobre o assunto, considerando que muitos que se mantêm em silêncio já pensaram em tal possibilidade e sequer foram notados; imaginemos como alguém que pensa em tal fim se sente? Ou mesmo percebendo alguém dando sinal, falando sobre a possibilidade, perguntar se pode ajudar, o que está acontecendo?

O CVV (Centro de Valorização da Vida), tem tido inestimável trabalho de apoio emocional e prevenção do suicídio por telefone (188), e-mail, chat e pessoalmente. O atendimento é voluntário, gratuito e absolutamente sigiloso.

Infelizmente, ainda existe uma falta de sensibilidade monumental por parte de muitas pessoas, que desconsideram àquelas que dizem que perderam o sentido da vida,chegam mesmo ao absurdo de dizerem que “quem se matar, não falar, faz”. Estupidez. É preciso atenção ao seguinte perfil suicida, em geral: um indivíduo começa a se isolar, e se desinteressar pelo que antes lhe dava muito prazer e satisfação; altera hábito de sono e de apetite, tornando-se excessivamente arredio, sensível e esquivo a conversar sobre seus problemas. Em geral, são sinalizações do perfil, não, necessariamente, que esteja propenso ao suicídio por essas questões, porém quando insere ao comportamento a narrativa tipo “o mundo estaria melhor sem mim”, “eu não aguento mais” ou ainda “a vida não vale a pena”, a ideação suicida já pode está instalada. É fundamental a mobilização de familiares e amigos na busca de um médico psiquiatra, que poderá intervir no processo, evitando o seu agravamento.

Nunca duvide de alguém que pode estar falando em suicídio, pois a sua desconsideração poderá exatamente ser o gatilho que esta pessoa esperava para consumar a sua ideação.

*José Medrado é líder espírita, fundador da Cidade da Luz, palestrante espírita e mestre em Família pela UCSal. Também é apresentador de rádio e escreve para o AjuNews.



Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso


Publicidade
Justiça

Por divulgação de obra no Japãozinho, Justiça determina que Edvaldo exclua vídeo das redes sociais

Justiça
Mais Lidas
Publicidade


Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.