Artigo


Violência doméstica, uma triste realidade que a pandemia trouxe mais à tona


Publicado 25 de junho de 2020 às 08:57     Por Ana Yris*     Foto Arquivo Pessoal

Diante dessa pandemia que estamos enfrentando, a quarentena e o isolamento social são medidas essenciais no combate ao vírus. Em razão disso, a permanência em casa se tornou intensa e houve um aumento expressivo da violência contra mulheres, principalmente no ambiente doméstico.

Com o isolamento social, vivemos um momento de grande tensão, enquanto para alguns o lar é o refúgio, para as mulheres vítimas de violência, o ambiente se torna perigoso e propício aos insultos, xingamentos e muitos conflitos, é quando surgem as agressões que podem terminar em casos de homicídio da mulher ou feminicídio.

A violência contra mulheres não é apenas física, ela também pode ser moral, psicológica, sexual e patrimonial.
Num ambiente de alto stress é potencializada.

Apesar do aumento significativo de denúncias, existe ainda um volume significativo de subnotificação. Algumas mulheres ainda têm medo e se sentem inseguras para fazer a denúncia, já outras possuem uma certa dificuldade de enxergar que estão vivendo uma relação abusiva muitas vezes por não conhecerem outra forma de relacionamento.

A permanência ao lado do agressor, reduz as chances das vítimas fazerem as denúncias. É preciso estar atento aos sinais. Os familiares e vizinhos podem desempenhar um papel fundamental ao perceberem algum comportamento estranho, ouvirem algum barulho suspeito ou até mesmo algum caso explícito . Nestes casos é importante que acione imediatamente o 190, para emergência policial, ou contate o 180 que é a Central de Atendimento à Mulher.

Para alertar sobre a necessidade de se combater a violência contra a mulher foi lançada a campanha #sinalvermelho, desenvolvida durante a pandemia, quando os casos de violência contra a mulher aumentaram em quase 50% por todo país.

Neste caso específico as farmácias podem exercer uma função essencial ao identificarem silenciosamente as vítimas através do sinal vermelho nas mãos. Ocorrendo, o 190 deve ser acionado imediatamente.

Importante ressaltar que as pessoas responsáveis por prestar essa solidariedade às vítimas, não configuram como testemunhas, serão apenas comunicantes.

Mulheres precisam parar de morrer e você pode ser a pessoa responsável pela redução dos números desta violência. Não nos calemos.
Denunciar salva vidas.

* Ativista Social, integrante do Movimento Atitude Sergipe, Feminista, Coordenadora Estadual da Juventude Mulher do Cidadania

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do AjuNews.



Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso


Publicidade
Justiça

Mais de 117 mil pessoas que receberam auxílio emergencial de forma indevida já fizeram devolução

Justiça
Mais Lidas
Publicidade