Entrevista


‘A gestão de Edvaldo Nogueira é uma frustração anunciada’, avalia Valadares Filho


Publicado 22 de janeiro de 2020 às 06:00     Por Adelia Felix     Foto Will Shutter / Câmara dos Deputados

Presente nas três últimas eleições de Aracaju, o ex-deputado federal Valadares Filho (PSB) afirmou ao AjuNews que vai tentar mais uma vez ocupar a prefeitura da capital sergipana em outubro deste ano. Durante conversa, fez duras críticas à gestão do atual prefeito, Edvaldo Nogueira (PDT). “Uma gestão frustrante. Eu poderia dizer que é uma frustração anunciada, um governo que não conseguiu modernizar a gestão pública, um governo que não toma medidas de mudança no vício administrativo, nos serviços públicos de Aracaju que estão aí há anos e vamos colocar aí mais de uma década”, apontou.

Neste ano, pode perder o apoio do DEM, comandando nacional pelo prefeito de Salvador, ACM Neto. Mas, ele acredita que a possível aliança entre o DEM e PDT que pode se espalhar pelo Nordeste não deve ser concretizada em Aracaju. “Eu não tenho conhecimento que isso está prosperando”, avalia.

Assim como a gestão do chefe do Executivo Municipal foi criticada, a gestão do governador Belivaldo Chagas (PSD) também não é bem avaliada pelo pessebista. “É um governo que conseguiu colocar Sergipe numa ilha. Você vê Alagoas se desenvolvendo, inclusive, melhorando o salário dos servidores, melhorando os serviços públicos, se desenvolvendo com obras estruturantes, gerando empregos, você vê a Bahia da mesma forma, nós temos Sergipe no meio disso em um governo que não consegue nem fazer a manutenção básica”, disse.

Para o filho do ex-senador Antônio Valadares, a Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) foi entregue politicamente a um grupo que apoiou o governador. “A Deso precisa ser reestruturada na sua gestão, precisa ser despolitizada em relação àqueles que são indicados pelo governo”, acredita.

Leia a entrevista completa:
AjuNews: O senhor é pré-candidato à Prefeitura de Aracaju?
Valadares Filho: Exatamente. Estamos construindo uma nova pré-candidatura, já que eu já fui.

AjuNews: Com quais nomes tem conversado? Qual seria a chapa ideal?
Valadares Filho: Nesse momento, a nossa prioridade não vai ser a formação de alianças. Isso vai acontecendo naturalmente dentro do próprio processo eleitoral. Nós estamos fortalecendo o partido em Aracaju para fortalecer justamente essa pré-candidatura, nós estamos dentro da nossa Fundação Gil Mangabeira, que é o braço intelectual do PSB, formatando um programa de governo, ouvindo setores da sociedade, caminhando nos bairros de Aracaju, para que a gente possa apresentar um pré-projeto do governo até o mês de abril que é o prazo final de filiações para quem quer ser candidato, 4 de abril. E, claro que quando falo em pré-projeto é porque a gente está aberto também, mesmo depois dessa apresentação, a novas sugestões, partidos que possam ser aliados lá na frente poderem também contribuir com a formatação do programa de governo. E na própria campanha eleitoral, a gente vai incorporando novas sugestões e o próprio debate, quando vai se afunilando, a gente vai podendo melhorar ainda mais e detalhar ainda mais o programa. Então, nesse momento a nossa prioridade é debater a cidade. Nós vamos fazer a construção da pré-candidatura. Naturalmente, no processo a gente vai conversar, buscar, convencer outros pré-candidatos que já se colocaram e outros partidos que tenha, convergência com os nossos pensamentos na construção de um projeto mais unificado.

AjuNews: O senhor poderia revelar algum partido?
Valadares Filho: Não, não nesse momento. É claro que é do processo eleitoral conversas de bastidores da política, elas podem esporadicamente acontecer, mas são conversas de bastidores que não avançaram ainda em uma aliança propriamente dita. Nesse momento não vamos divulgar, vamos avançar nessa formação das alianças. Até porque nossa pré-candidatura não é impositiva, ninguém é candidato de si próprio, né? Ela é uma pré-candidatura construída, isso a gente vai dialogar, vai avançar, buscar, ampliar logicamente as alianças.

AjuNews: Existe a possibilidade de sair como vice e não como cabeça de chapa?
Valadares Filho: Essa possibilidade ela não tem sido debatida no partido e não tem sido colocada como algo que nós possamos prosperar. Nada contra o cargo de vice, mas é porque quando se constrói, quando se decide, quando se busca fortalecer uma candidatura própria no PSB, uma candidatura mais uma vez do nosso nome, você não pode ter dois objetivos. O objetivo é construir e fortalecer a candidatura a prefeito. Logicamente, que a gente vai buscar ampliar para que inclusive possa formar a chapa em relação a vice-prefeitura, mas essa possibilidade ela não é debatida no partido.

AjuNews: O senhor participou diretamente das últimas eleições, chegando a ir para o segundo turno. O que tem de diferente neste ano para que seu grupo possa obter a maioria nas urnas e dessa vez assumir a prefeitura de Aracaju?
Valadares Filho: O candidato que chegou mais perto de vencer o governo nessas últimas eleições foi justamente a nossa candidatura. Eu que cheguei o mais próximo, então, a minha proposta dentre todos os candidatos da oposição, ela foi a que teve mais aprovação dentre os candidatos de oposição. O que é que eu acho que a gente vai conseguir avançar ainda mais nessa eleição? É que sociedade está compreendendo que esse sistema que está administrando a cidade, Sergipe, esse agrupamento político que está administrando tanto Aracaju como o Estado, há muitos e muitos anos, que não tem avançado nos problemas pertinentes, que tanto a capital como o Estado têm, esse sistema faliu. Esse agrupamento político, ele não consegue mais corresponder às expectativas da sociedade e eu mais uma vez vou fazer a minha parte, o meu papel em relação a bandeira das mudanças. Eu não tenho que mudar em relação aquilo que eu defendia sempre, que eu acho que é o certo, que é você mudar as práticas políticas, a administração pública, modernizar a gestão, torná-la mais independente, eficiente, a meritocracia em relação a formação da equipe, debater detalhadamente todos os problemas da cidade como vamos fazer novamente. Eu fui o candidato que cheguei no segundo turno, os outros não chegaram, então, eu tenho que convencer, e trabalhar isso democraticamente com diálogo em relação as outras candidaturas. E mais, demonstrar ao povo de Aracaju, o povo de Sergipe, que é possível enfrentar o sistema. Eu perdi duas eleições para o sistema governamental. Cheguei ao segundo turno, principalmente em 2018, com três partidos políticos, com apenas três prefeitos dos 75, com apenas dois deputados dos 24, só dois me apoiavam. Então, mesmo tendo a estrutura política tão pequena, o tempo de TV foi 20% do que o candidato que ganhou e eu cheguei ao segundo turno. Então, o projeto é um projeto que tem demonstrado força eleitoral.

AjuNews: Na última eleição municipal o senhor teve o apoio de ACM Neto. Neste ano, especula-se que o PDT pode caminhar com o Democratas em algumas capitais do Nordeste. O PSB perdeu espaço para o PDT? O senhor vai ter apoio de Neto neste ano?
Valadares Filho: O PDT foi um aliado meu em 2018 e em 2016. O PDT indicou a minha vice que foi a deputada e amiga Silvia Fontes, minha candidata a vice-governadora em 2018. Dos três partidos que me apoiaram um deles foi o PDT, ou seja, um partido corajoso e que demonstrou muita independência em apoiar uma candidatura de oposição. O que eu acho é que o DEM tem buscado ampliar suas alianças nacionais, principalmente, no Nordeste e tem toda legitimidade para isso. O DEM tem hoje uma das melhores administrações do Nordeste liderada por ACM Neto, que é um prefeito inovador, é um prefeito trabalhador, que é um prefeito progressista, que eu tenho muita admiração e amizade pessoal. Ele realmente esteve aqui na minha campanha de 2016, nos apoiou no segundo turno depois da sua vitória no primeiro turno em Salvador. Independentemente das questões de futuras alianças, a administração de ACM Neto é uma referência, é uma referência programática, uma referência conceitual de boa gestão e serve de grande exemplo e inspiração para o nosso projeto, independentemente da posição do DEM.

AjuNews: Mas como o senhor avalia a possível aliança entre o PDT e o DEM?
Valadares Filho: Eu não tenho conhecimento que isso está prosperando, eu não tenho conhecimento que isso está acontecendo, se vier acontecer eu posso opinar um pouco mais na frente, mas não tenho conhecimento. O único conhecimento que tenho é que o prefeito está se filiando ao PDT, isso tenho conhecimento. Mas em relação a aliança com o DEM não sei como isso está procedendo.

AjuNews: O presidente estadual do PDT e deputado federal Fábio Henrique afirmou que a formulação política de Aracaju vai ser feita por Edvaldo e que não está descartado que pode haver um entendimento da sigla com o DEM nas eleições deste ano.
Valadares Filho: Fábio acertou em dizer isso, se o candidato a prefeito está no PDT e vai liderar o partido em Aracaju, quem tem que coordenar o processo é o prefeito. Tenho divergências muito grandes com o prefeito, vamos combater essa gestão que está aí, mas Fábio deu a informação correta, quem tem que coordenar isso é o prefeito.

AjuNews: Sim… Mas e o PDT e o DEM?
Valadares Filho: Então, o prefeito que coordene, se avançar em relação a isso eu vou dar a minha opinião, enquanto isso vamos aguardar os acontecimentos que é um momento de muita especulação na política.

AjuNews: Como o senhor avalia a gestão do prefeito de Aracaju?
Valadares Filho: Uma gestão frustrante. Eu poderia dizer que é uma frustração anunciada, um governo que não conseguiu modernizar a gestão pública, um governo que não toma medidas de mudança no vício administrativo, nos serviços públicos de Aracaju que estão aí há anos e vamos colocar aí mais de uma década. É um governo que não consegue encarar os problemas corriqueiros da cidade. É um governo que não consegue nem fazer uma licitação do transporte público, acho que é a única capital do Brasil que não tem uma licitação de transporte público. Nós temos uma capital ainda com a licitação emergencial do lixo, isso é um verdadeiro absurdo, você ter uma licitação emergencial em relação a coleta de lixo. É uma cidade que não gera emprego, que não estimula o comércio, que não fortalece o centro comercial de Aracaju, ou seja, é um governo que acha que pavimentando a Avenida Beira-Mar e colocando algumas obras de concreto tem melhorado a vida das pessoas, não tem. A crise na saúde é permanente, as unidades básicas faltam medicamentos, profissionais de saúde desvalorizados, ou seja, falta de gestão. E olhe que a saúde foi privatizada. Ele prometia que isso não iria acontecer e ele privatizou, terceirizou o serviço da saúde e não melhorou. Um governo que não consegue tornar uma cidade antenada com a tecnologia, não consegue fazer uma política planejada de cidade inteligente, que ainda tem um déficit habitacional absurdo. É um governo que não olha o meio ambiente. É um governo que nem chega a 20% de arborização em relação a tudo que fez durante os anos que ficou em Aracaju. Nós temos que lembrar uma coisa, o homem público que mais governou Aracaju na história foi Edvaldo Nogueira, nós temos problemas corriqueiros, quem é o maior culpado? Aquele que mais governou. Há 12 anos ele governa Aracaju e há 12 anos nós temos problemas permanentes e corriqueiros, principalmente, no vício dos serviços públicos, que aproveita da sua fraqueza pessoal para não mudar as coisas da maneira que tem que ser.

AjuNews: E a administração do governador de Sergipe?
Valadares Filho: Trágica. O governo que atrasa salários, você já vê o carimbo do fracasso, o carimbo de uma administração que não tem de forma alguma melhorado a vida das pessoas. Um governo que em todas as áreas, sem exceção, nós temos problemas em seus dados em relação a outros governos. É um governo que conseguiu colocar Sergipe numa ilha. Você vê Alagoas se desenvolvendo, inclusive, melhorando o salário dos servidores, melhorando os serviços públicos, se desenvolvendo com obras estruturantes, gerando empregos, você vê a Bahia da mesma forma, nós temos Sergipe no meio disso em um governo que não consegue nem fazer a manutenção básica. A exemplo disso, as rodovias estaduais que estão trágicas. Não temos mais uma política digitalizada para geração de emprego, acabou, faliu. Nós não temos um estado que modernize a nossa educação, nós temos uma saúde totalmente entregue a política, ela é totalmente entregue àqueles que indicam politicamente os coordenadores e os dirigentes dos hospitais regionais, por isso, um serviço precário e caótico como nós temos hoje. Temos infelizmente uma administração estadual totalmente desatualizada em relação aquilo que é preciso fazer para termos um governo que melhore a vida das pessoas. Então, eu vejo como uma gestão trágica, a pior da história de Sergipe

AjuNews: O Governo e prefeitura assinaram, nesta semana, renovação de um convênio milionário com a Deso. Como o senhor avalia o trabalho da companhia?
Valadares Filho: Isso inclusive estava no meu programa de governo. A Deso precisa ser reestruturada na sua gestão, precisa ser despolitizada em relação àqueles que são indicados pelo governo. Em relação à eleição de 2018, por exemplo, a Deso foi entregue politicamente a um grupo que apoiou o governador e isso foi dito publicamente. ‘Olha, estou dando a Deso porque esse partido, essa liderança política vai me apoiar’. Então, isso que tem tornado o serviço da Deso tão deficitário e tão reclamado pela população. E, a prefeitura de Aracaju é uma das mais criticadas da Deso, então se houve esse convênio, eu espero que dê certo. Não sou daqueles que quanto pior melhor. Eu espero que a Deso melhore seu serviço, fazer um registro que o presidente atual com todo esforço, é um jovem da área, competente, mas tem todo um sistema político por trás que não o deixa trabalhar da forma que ele queria e temos uma prefeitura de Aracaju que não consegue fazer parceria com ninguém. Espero que essa dê certo, quem ganhará com isso é a população.

Colaborou Roberta Cesar

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso