Entrevista


Prefeito de Muribeca diz que recebeu prefeitura em cenário de “caos” com dívida de R$ 8 milhões


Publicado 14 de fevereiro de 2021 às 08:39     Por Fernanda Sales     Foto Reprodução

O prefeito de Muribeca, Mário de Sandra (PL), afirmou que ao assumir a prefeitura, o cenário encontrado foi de “caos”. Em entrevista ao AjuNews, o gestor esclareceu que a gestão passada do município sergipano deixou dívidas que atualmente “alcançam R$ 8 milhões”.

Segundo Mário, o débito inclui despesas com previdência social. “Há um parcelamento com o INSS não adimplido de 4,5 milhões de reais. Noutro lado, despesas que impactam diretamente o FPM e o funcionamento ordinário da prefeitura como precatórios (1,8 milhões) que conseguimos alterar o desconto mensal que era inicialmente de 154 mil reais, além de dívidas com contas de energia atrasadas de mais de 101 mil reais”, detalhou o gestor.

Durante a entrevista, o prefeito explicou ainda sobre a aprovação do Orçamento de 2021 na Câmara de Vereadores de Muribeca. O Projeto inicial previa remanejamento de receita de 80% e, alguns vereadores, apresentaram emenda para reduzir este percentual para apenas 1%. Segundo ele, para evitar essa “emenda da morte”, na sessão do dia 1º de janeiro deste ano, foi apresentado um Projeto de Lei alterando este quadro orçamentário.

O prefeito também citou as suas prioridades para o primeiro ano de gestão e falou sobre a vacinação contra a covid-19 no município. Para ele, é preciso menos embates e mais resultados com relação ao tema. “Seguindo o calendário do protocolo municipal de vacinação a partir da disposição de doses pelo Estado de Sergipe, na última sexta-feira (12) vacinamos os idosos de 90 anos ou mais e acamados em casa, para evitar o deslocamento até as unidades de saúde do município. Tenho esperança de termos imunizantes suficientes para ampliarmos o atendimento das etapas, torço por menos embates e mais resultados quanto a este tema”, disse durante a entrevista.

Confira a entrevista completa abaixo:
AjuNews: O senhor disputou pela primeira vez o cargo de prefeito e foi eleito. A que atribui essa vitória?
Mário de Sandra: Atribuo a um sentimento de libertação, para além do desgaste que acometia a gestão passada, percebemos muito claramente que os muribequenses queriam e a cidade precisava experimentar uma mudança real. Graças a Deus aconteceu e agora é momento de retribuir com muito trabalho.

AjuNews: O senhor superou a candidata do então prefeito Fernando Franco (PP). Na sua avaliação, o que isso representa para a história política do município?
Mário de Sandra: Mudança, entre os revezamentos de prefeitos com sobrenomes tradicionais, há um prefeito jovem nascido e criado na cidade. Eu tenho a dimensão da responsabilidade que tenho de construir a mudança em nossa cidade e partir disso espero muito que a população se interesse cada vez mais por política, pela participação na política.

AjuNews: O processo de transição foi tranquilo ou houve alguma resistência por parte da gestão passada?
Mário de Sandra: Houve uma tranquilidade relativa, dados como folhas atrasadas só foram entregues no último dia de 2020 e outros elementos dificultaram um pouco o trâmite. Tudo que excedeu o razoável será enviado ao Tribunal de Contas do Estado.

AjuNews: Qual o cenário encontrado na Prefeitura de Muribeca ao assumir?
Mário de Sandra: Caos, infelizmente preciso afirmar isso. Digo isso porque o volume de débitos que estão envoltos ao município dificulta a celeridade de atuação. O débito atual do município alcançava 8 milhões de reais incluindo-se despesas com previdência social, há um parcelamento com o INSS não adimplido de 4,5 milhões de reais. Noutro lado, despesas que impactam diretamente o FPM e o funcionamento ordinário da prefeitura como precatórios (1,8 milhões) que conseguimos alterar o desconto mensal que era inicialmente de 154 mil reais, dívidas com contas de energia atrasadas de mais de 101 mil reais, folhas de pagamento atrasadas dos professores, dos agentes de saúde, dos médicos, de servidores da assistência social, não esquecendo do escandaloso débito com a Caixa Econômica relativo aos consignados, descontados dos servidores e não repassados para a instituição bancária. Mas com muito trabalho e união dos muribequenses, vamos superar esse quadro.

AjuNews: Em uma live o senhor trouxe à tona um problema relacionado ao orçamento. O que ocorreu e como isso vai impactar em sua gestão?
Mário de Sandra: Logo após as eleições foi votada a lei orçamentária para 2021, no projeto inicial havia a previsão de remanejamento de receita de 80% e, alguns vereadores, apresentaram emenda para reduzir este percentual para apenas 1%. Na sessão do dia 1º de janeiro apresentamos um Projeto de Lei alterando este quadro orçamentário e conseguimos, com a sensibilidade dos vereadores de que a “emenda da morte”, como ficou conhecida, prejudicaria a vida dos muribequenses nesse quadro de pandemia e queda de postos de geração de renda, alteramos por unanimidade o ambiente orçamentário.

AjuNews: Após a divulgação do resultado da eleição em Muribeca, com a confirmação de sua vitória, o senhor falou em liberdade e “emancipação política” do município. O que efetivamente isso significa?
Mário de Sandra: Significa ver um secretariado acessível e que todos na cidade conhecem. Significa a transparência com as ações que o município vem desempenhando, os sindicatos e os servidores serem recebidos e ouvidos pela gestão. Significa os pais de alunos da rede municipal de ensino da sede e de todos os povoados saberem que seus filhos voltarão aos estudos depois de um 2020 sem nenhuma atividade escolar remota, enfim, significa termos uma equipe de muribequenses que se esforçam pelo lugar em que moram e têm afeto e isso nos emancipa enquanto comunidade.

AjuNews: O que a população de Muribeca pode esperar da sua gestão e quais as prioridades para este primeiro ano?
Mário de Sandra: Neste primeiro ano o esforço é organização administrativa, segurança alimentar e investimento público em problemas históricos do município como estradas de chão. Encaminharei ao Legislativo uma série de Leis que, entre outras disposições, reduzem o tamanho da máquina administrativa, criam a ouvidoria municipal, regulamentam o auxílio-moradia, criam um programa de transferência de renda, criam o código ambiental da cidade de Muribeca, visando precipuamente a estruturação dos serviços. Desde o dia 16 de novembro que trabalhamos na captação de recursos para investimento público em nossa cidade, muito em breve vamos anunciá-los, como também, a criação do benefício de transferência de renda, inédito na cidade, que visa impactar diretamente a questão da demanda socioassistencial do município. Muito trabalho nesse início, mas Deus vai permitir que seja recompensado.

AjuNews: Ainda vivemos a pandemia, que afetou os mais diversos setores. Como está o processo de vacinação em Muribeca?
Mário de Sandra: Seguindo o calendário do protocolo municipal de vacinação a partir da disposição de doses pelo Estado de Sergipe, ontem vacinamos os idosos de 90 anos ou mais e acamados em casa, para evitar o deslocamento até as unidades de saúde do município. Tenho esperança de termos imunizantes suficientes para ampliarmos o atendimento das etapas, torço por menos embates e mais resultados quanto a este tema.

AjuNews: E quais as medidas tomadas em relação à economia?
Mário de Sandra: De início alteramos prazos de débitos de empreendimentos com o município e estamos estudando leis que alterem o arcabouço tributário para estimular a economia local. Infelizmente, assumimos uma prefeitura sem sequer a lista dos permissionários da maior expressão econômica municipal que é a feira, mas foram aplicados os formulários em todos os 226 feirantes e vamos tomar medidas que tragam uma energia ao setor comercial. Não obstante, estou em tratativas com instituições bancárias para atração de crédito para os munícipes e empresas da cidade que, somado à modernização da forma de cobrança virtual, poderemos ver nossa cidade com maior circulação de recursos. A médio prazo, temos um projeto de lei que será encaminhado à Câmara de Vereadores que cria a área de interesse econômico do município que se coaduna com o Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial, visando criar um ambiente tributário favorável e com estímulo do local cedido para atração de investimento privado em nossa cidade. O esforço é diário para ver Muribeca crescer e com a união de todos tenho convicção de que chegou o nosso tempo.

Leia mais:
“Vocês deveriam ter vergonha do que fizeram com a nossa cidade”, diz prefeito de Muribeca ao ex-gestor
Prefeito eleito de Muribeca critica redução da verba de remanejamento aprovado na LOA pela Câmara de Vereadores



Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso


Publicidade
Justiça

Rachel Sheherazade pede R$ 19 milhões em indenização trabalhista ao SBT, diz site

Justiça
Mais Lidas
Publicidade