Polícia


Demora e falta de informações do MP-SE em processo envolvendo coronel da PM-SE


Publicado 14 de outubro de 2021 às 06:35     Por Dhenef Andrade e Peu Moraes     Foto Reprodução / Assessoria de Imprensa

O promotor de Justiça do Ministério Público de Sergipe (MP-SE), Newton Silveira Dias Junior, da 7ª Promotoria de Justiça dos Direitos do Cidadão, especializada na Defesa do Patrimônio Públicos, da Previdência Pública e da Ordem Tributária, negou conceder maiores detalhes sobre a denúncia que envolve suposto recebimento de verbas remuneratórias por parte do Coronel Eliziel Alves Rodrigues, que ocupa a função de Corregedor-Geral na Polícia Militar do Estado de Sergipe – PM-SE.

Em duas tentativas a reportagem buscou o promotor, responsável pela condução das investigações, para que desse detalhes da denúncia e orientações sobre o caso. A primeira, por meio de contato telefônico com a assessoria do MP-SE, na terça-feira (5), para que fosse feita a ponte com o promotor.

O envio de cinco perguntas foi realizado, conforme solicitado pela assessoria, e após três dias a devolutiva do promotor público se deu de forma curta, conforme segue. “O procedimento referido (81.21.01.0069) tem natureza de NOTÍCIA DE FATO, encontrando-se em fase inicial de investigação. Está garantida a todo e qualquer cidadão o acesso a todas as informações e documentos reunidos até o momento no referido procedimento mediante simples consulta ao sistema de acompanhamento eletrônico do MP-SE”.

As perguntas enviadas, no entanto, buscavam aprofundar o entendimento da pauta de interesse público e foram ignoradas pelo promotor, que reforçou que os documentos presentes na plataforma de consulta do MP seriam suficientes. Em nova tentativa de contato, nesta quarta-feira (13), a reportagem foi informada pela assessoria que o magistrado não responderia às perguntas. “Dr. Newton prefere não conceder entrevista. Ele disse que o encaminhamento do MP sobre o caso está disponível no processo, que você tem o número”, informou.

Se tratando da complexidade do caso e do interesse público envolvido na denúncia, a negativa aos questionamentos ao Ajunews, a atitude do servidor público vão de encontro com o Código de Ética dos Jornalistas em seu capítulo I, Do direito à informação, que em seu parágrafo 2º cita:

Art. 2º Como o acesso à informação de relevante interesse público é um direito fundamental, os jornalistas não podem admitir que ele seja impedido por nenhum tipo de interesse, razão por que: IV – a prestação de informações pelas organizações públicas e privadas, incluindo as não-governamentais, é uma obrigação social.

Ademais, a fiscalização do setor público é um papel universalmente reconhecido à imprensa e tal ato necessita da colaboração dos atores envolvidos, sejam de quais esferas dos Três Poderes pertençam.

A reportagem fica a disposição do promotor, na qualidade de servidor público, para que ele preste as informações solicitadas para o devido conhecimento da sociedade sergipana.

Leia mais:
MP-SE apura suposto recebimento ilícito de indenização de Coronel da PM



Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso


Publicidade
Justiça

Justiça nega recurso de Danielle em ação por danos morais de Edvaldo

Justiça
Mais Lidas


Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.