Política


Governo federal deseja privatizar presídios e colocar presos para trabalhar e arcar com seus custos


Publicado 01 de agosto de 2020 às 14:28     Por Roberta Cesar     Foto Marcello Casal Jr / Agência Brasil

O governo federal deseja aprovar um projeto que prevê a privatização das unidades prisionais do país. Além disso, os presos teriam que trabalhar e pagar seus custos com parte do seu salário. As informações foram publicadas pela colunista Carla Araújo, do Uol.

A secretária especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PP) do Ministério da Economia, Martha Seillier, afirmou que o modelo de parceria público privada poderia ajudar neste processo.

No país, apenas um presídio é administrado pela iniciativa privada que é localizado no município de Ribeirão das Neves, em Minas Gerais. No entanto, o governo planeja tirar do papel duas novas unidades, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, que irão servir de modelo para o restante do Brasil.

“Se esses pilotos derem certo, muitos outros estados vão levantar a mão e demandar esse tipo de modelo. Aí de fato a gente começa a ter uma transformação nesse nosso sistema de segurança pública”, destacou a secretária.

Para Martha, o presidiário trabalhar para reduzir pena e custos auxilia na obtenção de trabalho e conhecimento, além de fazer com que eles arquem com uma parte dos custos que geram aos estados. “O trabalho é uma opção, mas o presidiário tem dois grandes incentivos para optar pelo trabalho. O primeiro é que reduz a pena. A cada três dias trabalhados é um dia a menos na prisão”, explica.

Além disso, ela destaca que: ele recebe uma remuneração, que não pode ser menor que um salário mínimo. Com parte desse dinheiro, ele vai ajudar a manter o sistema, pagando por hospedagem e alimentação, por exemplo”, ressaltou.



Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso


Publicidade
Justiça

‘Se Danielle Garcia veste a carapuça da corrupção, não é um problema meu’, diz Rodrigo Valadares após decisão judicial

Justiça
Mais Lidas
Publicidade