Política


“Não é atrás de um ‘pato’ que a gente vai discutir uma eleição para depois o povo pagar o pato”, diz João Fontes


Publicado 11 de maio de 2022 às 10:21     Por Fernanda Sales     Foto Fernanda Sales / AjuNews

O pré-candidato a governador do Estado, João Fontes (PTB), fez críticas aos também pré-candidatos Valmir de Francisquinho (PL) e Alessandro Vieira (PSDB). Em entrevista na Fan FM nesta quarta-feira (11), João Fontes afirmou que “não se pode discutir a eleição numa patacoada”.

“Nós não vamos discutir a eleição numa patacoada, não é atrás de um ‘pato’ que a gente vai discutir uma eleição para depois o povo pagar o ‘pato’ de uma escolha ruim”, disse ele, fazendo referência a Valmir, que é conhecido em Itabaiana pelo apelido ‘Pato Rouco’.

João Fontes disse ainda que Valmir já afirmou que poderia apoiar Fábio Mitidieri e que ele não tem como fazer discurso de mudança. “Não é discurso só, tem muita coisa. A candidatura de Valmir é muito frágil, ao ponto de Rogério Carvalho a semana passada, nos Estados Unidos, dizer: ‘Valmir tem todo direito porque é o candidato de Bolsonaro’. Olha, quem está escolhendo o candidato de Bolsonaro é Rogério Carvalho, porque eles não querem disputar isso com João Fontes”, acrescentou ele, que é apoiador do presidente Bolsonaro.

Críticas a Alessandro
Com relação às críticas ao senador Alessandro Vieira, João Fontes ressaltou que Sergipe “tem tido uma péssima experiência com delegado na política. A gente sabe aí o papel lá do Alessandro”.

João Fontes criticou ainda uma declaração de Alessandro Vieira (PSDB), que recentemente questionou se alguém vai mudar o estado de Sergipe em parceria com Edvan Amorim (PL), citando Valmir de Francisquinho (PL). “Alessandro Vieira foi reclamar depois que não podia se fazer acordo com Edvan Amorim, e aí Zezinho Guimarães foi a público, Eduardo Amorim também. E inclusive revelaram coisas interessantes que a gente não sabia. Na eleição de 2020 de prefeito de Aracaju, o PL de Edvan Amorim financiou um milhão de reais para a campanha de Danielle Garcia […] Como que fica? Eles falam que não podem fazer política ao lado de Edvan Amorim depois de terem recebido dinheiro do partido presidido por ele? Tem muita incoerência”, criticou.

O pré-candidato também afirmou que já foi procurado por Danielle Garcia. “Danielle me procurou, a primeira pessoa que me procurou em Sergipe foi o Podemos e eu disse que não adiantava, que eu não ia, porque eu só vou para um partido que vá apoiar o presidente Jair Bolsonaro”, finalizou.

Leia mais:
“Se ele fizer o que fez em Itabaiana com Sergipe, vai acabar com Sergipe”, diz Luciano Bispo sobre Valmir
‘Vejo a pré-candidatura de Valmir de Francisquinho com muita naturalidade’, afirma Fábio Mitidieri
Alessandro diz que sua pré-candidatura ao Governo “está mantida” e que decisão de Valmir “não muda nada”



Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso


Publicidade
Justiça

Justiça nega recurso de Danielle em ação por danos morais de Edvaldo

Justiça
Mais Lidas


Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.