Coronavírus


CPI da Covid: Mandetta diz que Bolsonaro quis mudar bula da cloroquina para tratar a doença


Publicado 04 de maio de 2021 às 16:35     Por Fernanda Souto     Foto Wilson Dias/ Agência Brasil

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) queria que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mudasse a bula da hidroxicloroquina para que o medicamento fosse indicado ao tratamento da covid-19. A declaração foi feita durante participação na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, nesta terça-feira (4).

Segundo Mandetta, o pedido para alterar a bula foi negado pelo presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres. A cloroquina, de acordo com estudos científicos, é ineficaz contra a doença.

De acordo com Mandetta, a sugestão foi feita em uma reunião ministerial. Ele ainda alegou que Bolsonaro possuía um “assessoramento paralelo” ao adotado pelo Ministério da Saúde, com base nas recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Testemunhei várias vezes, em reuniões de ministros, o filho do presidente [Carlos Bolsonaro], que era vereador no Rio de Janeiro, tomando as notas da reunião. Eles tinham constantemente reuniões com grupos dentro da presidência. Tinham um assessoramento paralelo”, afirmou.

O ex-ministro foi à CPI na condição de testemunha, quando há o compromisso de dizer a verdade sob o risco de incorrer no crime de falso testemunho. Ele foi o primeiro a prestar depoimento.



Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso


Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.