Justiça


Covid-19: MPF aciona Justiça para que Sergipe retome vacinação de gestantes e puérperas sem comorbidades


Publicado 14 de junho de 2021 às 19:30     Por Dhenef Andrade     Foto Reprodução / MPF-SE

O Ministério Público Federal (MPF) entrou com ação, que tramita sob caráter de urgência, para obrigar a União e o Estado de Sergipe a retomarem, em 48 horas, a vacinação de gestantes e puérperas sem comorbidades. De acordo com o órgão, o caso adverso após aplicação da vacina AstraZeneca não justifica a interrupção da imunização desse público com doses da Pfizer e Coronavac.

Um levantamento realizado pela instituição, pelo menos dez estados continuam vacinando grávidas e puérperas sem comorbidade com Pfizer e Sinovac sem registros de reações adversas graves.

Em maio, uma gestante teve complicações após ser imunizada com a Astrazena. Diante do caso, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou ao Ministério da Saúde, como medida de precaução, que suspendesse a vacinação de grávidas com este imunizante. Sergipe resolveu continuar a vacinação apenas para gestantes e puérperas com comorbidades, com demais vacinas, excluindo as mulheres nessas condições sem comorbidades.

Para o MPF, a decisão de suspender as vacinas da Pfizer e da Sinovac para gestantes e puérperas sem comorbidades não foi adequadamente fundamentada, pois não segue a orientação dada pela Anvisa.



Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso


Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.