Política


TCU proíbe governo Bolsonaro de anunciar em sites que promovem ilegalidades


Publicado 11 de julho de 2020 às 10:07     Por Dhenef Andrade     Foto Marcello Casal Jr / Agência Brasil

O governo de Jair Bolsonaro (sem partido) está proibido de destinar recursos de publicidade a sites que promovem atividades ilegais ou que possuam conteúdo relacionado com o público-alvo de suas campanhas. A determinação é do ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Vital do Rêgo, em decisão publicada nesta sexta-feira (10).

Na decisão, o ministro cobra que o Ministério das Comunicações, chefiado atualmente por Fábio Faria (PSD-RN), explique em 15 dias sobre as despesas publicitárias e que apresente ‘evidências robustas que afastem a ocorrência dos indícios de irregularidade’.

O tribunal ainda pediu à Secretaria de Comunicação, responsável pelos anúncios e a escolha dos veículos em que são divulgados, todas as planilhas de compra de espaços publicitários para analisar os dados. A apuração, segundo o TCU, não deve abranger todas as campanhas do governo, e não somente à campanha da Previdência.

De acordo com levantamento feito em maio pelo jornal Folha de São Paulo, o governo federal destinou verba nas campanhas pela Reforma da Previdência em sites infantis, em russo, e canais de jogo do bicho, prática ilegal no Brasil.

Leia mais
Governo publicou 653 mil anúncios em canais de notícias falsas, aponta CPMI
Canais do Youtube que disseminam fake news e atacam o STF receberam verba de estatais



Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso


Publicidade
Justiça

Pastor Silas Malafaia é condenado a pagar R$ 15 mil ao deputado Marcelo Freixo

Justiça
Mais Lidas
Publicidade