Cidades


Edvaldo critica uso de agressão do fiscal ao ambulante para politicagem


Publicado 25 de março de 2020 às 16:02     Por Larissa Barros     Foto Reprodução / Redes sociais

Após a agressão de um dos fiscais da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) a um vendedor ambulantes,no Centro da capital, na manhã desta quarta-feira (25), o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira (sem partido), publicou um vídeo nas redes sociais no qual condena uso de violência, e da agressão do fiscal para politicagem.

De acordo com o chefe do executivo, a prefeitura não compactua com a ação do agente, e que estão usando o diálogo e a persuasão para que as pessoas fiquem em casa evitando o contágio do novo coronavírus (covid-19). E ressaltou que não é hora de usar esses acontecimentos politicamente.

“Queremos também alertar para que as coisas não sejam usadas politicamente. Não é hora, porque o combate ao coronavírus não tem sexo, não tem cor, não tem idade e nem ideologia”,declarou Edvaldo.

Ainda de acordo com o prefeito, a agressão ao ambulante trata-se de um caso isolado, e que as providências necessárias já foram tomadas para que ações como essa não se repitam.

“Nós vamos afastar os fiscais, é minha orientação e apurar devidamente os fatos. Porque não é permitido fazer isso, principalmente com quem mais precisa. Com as pessoas que estão diariamente buscando a sua sobrevivência”, afirmou o prefeito.

Edvaldo também informou que já havia solicitou que a mercadoria apreendida seja imediatamente devolvida ao ambulante agredido.

Leia mais:

Vídeo: Fiscal da prefeitura aplica ‘gravata’ em ambulante irregular na Rodoviária Velha
Feiras livres em Aracaju são suspensas e passageiros em aeroporto serão monitorados; confira outras medidas
Prefeitura monitora temperatura de passageiros no aeroporto de Aracaju
Após redução da frota, usuários reclamam de ônibus lotados em Aracaju



Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso


Publicidade
Justiça

Lula não deve ser candidato à presidência em 2022 para 70,6% dos brasileiros, diz pesquisa

Justiça
Mais Lidas
Publicidade