Mundo


Filme sergipano ‘Ímã de Geladeira’ estreia nos EUA neste sábado (30)


Publicado 28 de abril de 2022 às 12:39     Por Redação AjuNews     Foto Divulgação / Assessoria

O filme sergipano ‘Ímã de Geladeira’, de Carolen Meneses e Sidjonathas Araújo, será exibido no 19º Festival de Cinema Negro de Seattle e no 38º Festival de Cinema Latino de Chicago neste sábado (30), nos Estados Unidos (EUA). O curta-metragem foi gravado e inspirado no bairro Rosa Elze, em São Cristóvão, na Grande Aracaju.

Desde janeiro de 2022 a produção circula no Brasil em eventos como a Mostra de Cinema de Tiradentes, em Minas Gerais, e o Festival Visões Periféricas, no Rio de Janeiro. No início deste mês a população aracajuana teve a oportunidade de assisti ao filme na 7ª EGBÉ – Mostra de Cinema Negro de Sergipe.

‘Ímã de Geladeira’ é um curta-metragem de ficção que transita entre os gêneros cinematográficos terror e fantasia para narrar a vida de um jovem casal preto que vive numa periferia sergipana. Com uma narrativa afro-surrealista, o curta discorre sobre a violentação aos corpos negros e periféricos e sua espetacularização pelos meios de comunicação de massa. Assista ao trailer: https://www.youtube.com/watch?v=F7NYb6xJQLg&t=1s.

Para o co-diretor Sidjonathas, romper as fronteiras nacionais é um indício da potência cinematográfica do estado mesmo diante da escassez de recursos destinados ao setor. “Exibir o nosso filme em um festival que acontece há quase quatro décadas nos Estados Unidos, como o festival de Chicago, convence a nós próprios do quão importantes e válidas são as nossas narrativas”.

Em Chicago, o curta compõe a programação ao lado de outros 85 filmes da América Latina, Espanha, Portugal e Estados Unidos, sendo sete deles brasileiros, como os longas ‘Desejo Particular’, de Aly Muritiba, e ‘Medusa’, de Anita Rocha da Silveira. O evento também já exibiu aclamados filmes brasileiros como ‘Medida Provisória’, de Lázaro Ramos, no ano passado, e ‘Ó Paí Ó’, de Monique Gardenberg, em 2009.

“Por que só agora?”
Carolen Meneses, roteirista e co-diretora do curta, comemora a estreia internacional ao mesmo tempo em que provoca a circulação de mais filmes produzidos fora dos grandes centros. “Fazer o Ímã atravessar o Atlântico para debater questões ligadas ao descaso com a população negra no Brasil através de personagens negros carregados de subjetividade me faz questionar: Por que só agora?”.

O questionamento de Carolen faz parte da iniciativa de realizadores e produtores audiovisuais que buscam romper com a falta de visibilidade das narrativas negras no Brasil e no mundo. “Por esse motivo a exibição de Ímã é tão significativa no Festival de Cinema Negro de Seattle, uma janela que nos conecta com autores e trabalhos provocativos sobre a experiência afro-diaspórica de cineastas independentes de diversos lugares”.

Foi o evento que exibiu os primeiros filmes da diretora, roteirista e distribuidora de filmes norte-americana Ava DuVernay, atualmente reconhecida pela criação da série ‘Olhos que condenam’ e do documentário ‘A 13ª Emenda’, ambos disponíveis na Netflix. Ava foi a primeira mulher negra indicada ao Oscar com seu filme ‘Selma’, abrindo um horizonte para cineastas negras contemporâneas.

Legado cultural
Produzido pela Floriô de Cinema em 2021, o filme leva às telas desde um dos pioneiros do cinema negro sergipano, o griô das artes e do movimento negro sergipano Severo D’Acelino (Zé das Peças), à estreante Solange Bocão (Dona Solange), moradora do Rosa Elze.

Na trama, a atriz e performer Margot Oliveira interpreta a costureira Joyce, par do casal protagonista, e comenta sobre a emoção de ver sua atuação e a cultura do seu povo imortalizadas. “Tô muito feliz que Joyce consegue me levar para outros ares me fazendo acreditar que é possível ser transatlântica de fato, perpassar pelas profundezas de grandes mares e deixar esse legado para nossos descendentes”.

Informações da assessoria.



Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso


Publicidade
Justiça

Justiça nega recurso de Danielle em ação por danos morais de Edvaldo

Justiça
Mais Lidas


Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.