Economia


Após prejuízo de cerca de R$ 50 mil, dono de loja em Aracaju recebe ação solidária da população


Publicado 06 de junho de 2020 às 18:55     Por Larissa Barros     Foto AjuNews

Os decretos para contenção do novo coronavírus (covid-19), em Sergipe, que suspenderam atividades de estabelecimentos comerciais de serviços não essenciais, complicaram a vida do empresário Jonathan Alencar, dono da loja Club Jeans, no Centro de Aracaju. Mergulhado em prejuízo e após anunciar que fecharia as portas após 22 anos, neste sábado (6), vários empresários de diversos ramos resolveram ajudar o comerciante para diminuir o prejuízo após a falência.

Em entrevista ao AjuNews, Jonathan afirmou que a loja foi fechada, inicialmente, com esperança de ser aberta em até dez dias, no entanto, o decreto que proibia o funcionamento do comércio foi sendo prorrogado, o que fez com que as dívidas se acumulassem. “As dívidas chegando, aluguel, funcionários, tudo né? Energia, água, os fornecedores… E, com as portas fechadas não tinha como a gente arcar com isso”, descreveu Jonathan.

Segundo o comerciante, ele estima ter sofrido um prejuízo de uma média de R$ 50 mil durante o período do isolamento e diante da situação resolveu publicar um vídeo nas redes sociais da loja, anunciando o fechamento. “Eu já estava desesperado. Já tava tudo encaixotado, ia baixar as portas e ficar com esses negócios todos. Mas aí eu fiz um vídeo, repercutiu”, explicou o empresário.

Para o empresário, os decretos devem ser flexibilizados, seguindo orientação do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Eu acho que deveria ser flexibilizado há muito tempo. Tudo dentro de uma organização. Estipular horas ou um turno. O trabalhador da saúde tem que trabalhar, o do supermercado tem que trabalhar, o porteiro dos prédios tem que trabalhar, todo mundo tem que trabalhar. O comerciante tem que trabalhar, se não ele vai passar necessidade e a conta vai chegando”, disse.

Após o evento desta tarde, o empresário agradeceu a solidariedade e contou que ficou emocionado com a atitude de pessoas que nem o conheciam, mas que fizeram questão de ajudar.

“Ainda penso que o Brasil tem jeito. Eu ainda meio desiludido, com vontade de ir embora desse país. Vontade eu tenho ainda, de ir embora desse país. Aí quando eu vejo as atitudes de pessoas chegando hoje, que eu nem conheço e dizer ‘olha eu vi seu vídeo, vim comprar’. Não sei nem se a pessoa está precisando, mas veio comprar. Essa atitude me deixou muito emocionado e feliz”, relatou Jonathan.

A médica e funcionária pública, Virgínia Monteiro, participou da ação. “Apesar de ter os meus vencimentos em dia, me solidarizo também com a situação dos empresários em frente a essa pandemia. Sou ciente da importância da iniciativa privada na geração de empregos,inclusive para assegurar o meu próprio salário. Nossos governantes precisam olhar com igual responsabilidade para a saúde e economia”, disse.

Depois do vídeo publicado pelo empresário afirmando que encerraria as atividades por causa do prejuízo, um grupo de empresários do movimento Brasil200 também organizaram uma ação de compra solidária junto aos seus membros para ajudar a atenuar o prejuízo. O coordenador nacional do movimento, Lúcio Flávio Rocha, se disse satisfeito com o resultado da ação.

“Ver empresários consolidados, participando disso tudo foi ainda mais gratificante. Propagtur, Sydartha, Ampla, PubliMídia, Mestre da Construção, Zeus dentre outros, estiveram aqui. Ver um herói como Seu Stênio, o guerreiro dono da famosa J.Andrade, se emocionar e encher os olhos de lágrimas por ter tido a chance e participar deste gesto faz tudo fazer sentido e valer”, avaliou Lúcio.

Algumas peças de roupas ainda podem ser adquiridas on-line. Mais informações abaixo:

 



Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso


Publicidade
Justiça

Mais de 117 mil pessoas que receberam auxílio emergencial de forma indevida já fizeram devolução

Justiça
Mais Lidas
Publicidade