Entrevista


LGBTQIA+: ‘Estado não se interessa por subnotificação de casos de violência em Sergipe’, diz representante do movimento


Publicado 30 de agosto de 2020 às 13:49     Por Larissa Barros     Foto Arquivo Pessoal

Na semana em que o Atlas da Violência de 2020 apontou uma redução do número de casos de violência contra pessoas LGBTQIA+ ( lésbicas, gays; bissexuais; transsexuais, travestis e trangêneros; queer; intersexuais; assexuais) em Sergipe, a representante do movimento e ativista transfeminista, Linda Brasil, afirma que os dados não refletem a atual situação do estado, por haver uma subnotificação dos casos.

“Realmente, não refletem a realidade. A gente percebe que existe uma subnotificação porque o Estado não tem interesse em saber, em fazer esse mapeamento na realidade. Porque a gente do movimento LGBTQIA+ recebe denúncias diárias de violência contra a população LGBTQIA+. Essa violência, na maioria das vezes, também como acontece com crianças e adolescentes, acontece dentro do âmbito familiar”, explica.

Durante a entrevista, a representante também falou sobre como o machismo está atrelado aos casos de violência contra pessoas do grupo, e como a falta de informação reforça os estereótipos e o preconceito.

Leia a entrevista completa abaixo:

AjuNews: Segundo dados do Atlas da Violência, foram registradas 10 denúncias de violência contra pessoas LGBTQI+, em Sergipe, no ano de 2018. Já em 2017, foram registrados 12 casos. Em sua avaliação, os números refletem a atual situação aqui do Estado?
Linda Brasil: Realmente não refletem a realidade. A gente percebe que existe uma subnotificação, porque o estado não tem interesse em saber, em fazer esse mapeamento na realidade. O movimento percebe denúncias diárias de violência contra a população LGBTQIA+. E essa violência, na maioria das vezes, também como acontece com crianças e adolescentes, está dentro do âmbito familiar. É a violência psicológica, violência física. Nós temos casos de pais que amarram pessoas LGBTQIA+ na cama, e chamam pastor evangélico para tirar o demônio. Isso é uma violência que vai ficar para o resto da vida dessa pessoa. Além das violências, eu mesma já sofri tanta violência física que até o fato de a gente ir a uma delegacia causa constrangimento. Percebemos que em certas situações como acontece no interior, na periferia, a população LGBTQIA+ fica com receio de ir para esses espaços, como aconteceu comigo. Uma vez eu fui violentada e quando cheguei na delegacia na época fui zombada, mais violentada ainda, com as pessoas que me receberam. A gente tem um índice de violência muito grande no estado, só que muitas vezes não aparecem nesses Atlas do governo. Porque para eles não têm interesse, porque com esses dados, nós do movimento iríamos ter mais formas de pressionar políticas públicas que realmente combatam esse tipo de violência.

AjuNews: A Prefeitura de Aracaju e o Governo de Sergipe dão assistência para esse público?
Linda Brasil: A gente percebe que existe algumas coordenações, secretarias que tem coordenações que são mais ligadas às questões dos direitos humanos, inclusão social. Existe a DAGV [Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis], existe um núcleo lá para atendimento, em que a delegada Meire Mansuet está no caso de violências raciais e LGBTfóbicas. Existe um centro de referência LGBTQIA+ que é ligado à secretaria de Segurança de Segurança Pública, mas esse órgão não está atuando na sua eficácia. Para mim o importante não é que exista uma política pública, mas que essa política pública seja efetiva, e que a sociedade sergipana tenha conhecimento de que exista. Também de que se está trabalhando realmente para combater através de intervenções na sociedade, conscientização, sobre o respeito à diversidade, sobre questões relacionados a orientação sexual, o que é a orientação sexual, o que é a identidade de gênero. E o fato da sociedade saber disso, e que é uma condição humana, vai fazer com que as pessoas possam respeitar, e não quando ver uma travesti na rua zombar, desrespeitar seu nome social, sua identidade de gênero. Muitas vezes é o reflexo de políticas públicas de sensibilização e conscientização em respeito aos direitos da população LGBTQIA+.

AjuNews: Atualmente, tanto Sergipe quanto o Brasil já possuem mecanismos suficientes para evitar o aumento de casos de violência ou punir os agressores?
Linda Brasil: É um momento difícil e histórico que o Brasil está passando, com o avanço do reacionarismo, de pessoas neofascistas, que perseguem as pessoas simplesmente por serem diferentes, por não se adequar a esse sistema hétero-cis-normativo, e a falta de um apoio efetivo, tanto no Brasil com esse atual presidente, que representa tudo que é de atraso, tudo que é fora da ciência. A gente está em um momento em que o estado brasileiro nega a questão da ciência. É tanto que a gente está passando pela pandemia e está vendo como o governo está indo contra o que dizem as pesquisas científicas, a medicina. Então é muito estranho. É muito complicado isso, e contribui para o aumento de violência, como contribuiu para o aumento dos casos de infecções e mortes causadas pela covid-19. Eu trago essa relação porque tem muito a ver com a questão LGBTQIA+. Por falta de conhecimento as pessoas acabam de uma certa forma achando que é errado ser LGBTQIA+, e não é errado. A gente precisa passar essa informação e desenvolver mecanismos para evitar esse aumento de casos. E para mim, como eu sou mestra em educação, a educação é a chave para isso. É através da educação que a gente pode conscientizar as crianças e adolescentes que não é errados ser LGBTQIA+. Isso não quer dizer que a gente que a gente queira influenciar a orientação sexual, identidade de gênero, isso não se influencia. Mas acaba ajudando com que esses jovens cresçam sabendo respeitar a diversidade, a individualidade do ser humano. Por isso que é importante eles terem essa informação, sobre o que é a orientação sexual, que a homossexualidade é uma condição que é garantida por lei no Brasil. Mas muitas pessoas, principalmente quem está no poder, desconsideram isso. A transfobia já é um crime, pessoas trans tem o direito de retificar o nome e o gênero de acordo com as nossas questões biológicas. No meu caso tem a questão espiritual também. Isso é muito importante para que a gente possa evitar esses casos de agressão, porque a base disso é a falta de conhecimento a respeito das vivências LGBTQIA+, a respeito da pluralidade que é o ser humano.

AjuNews: O machismo estaria atrelado ao crime contra pessoas LGBTQI+?
Linda Brasil: Com Certeza! Para mim a base da LGBTfobia tem a ver com o machismo. Esse sistema patriarcal que coloca o homem como aquele provedor, como um macho, como se fôssemos animais no pasto para a reprodução. Então há essa cultura machista de que o homem tem que ser assim, de que a mulher é uma posse. Um homem não pode se relacionar com outro, uma mulher não pode se relacionar com outra, uma pessoa trans, como eu, que foi designada ao nascer, consideram somente o órgão reprodutor como se isso fosse a coisa mais importante das nossas vidas, como se isso fosse definir quem nós somos. Que eu não posso assumir e afirmar publicamente uma identidade que corresponde à minha verdadeira identidade, que me faz sentir feliz, que me faz sentir eu como pessoa. O fato desse machismo exagerado não aceitar que eu de certa forma nasci designada a um papel masculino para exercer esse papel e nego essa minha condição, esse meu “privilégio” para querer afirmar publicamente uma identidade feminina, isso para esses homens machistas, para essa sociedade machista é inaceitável. Por isso, tanta violência, tanta perseguição. Então, sim, a base da LGBTfobia é o machismo. A gente não vai combater a LGBTfobia se não combater o machismo, que é a base de tantas outras opressões contra as mulheres, em relação a tudo. Nesse sistema machista acaba que o homem é o mais forte, que o homem é o mais poderoso, que o homem decide, tem mais condição. Isso faz com que a gente viva em um mundo, em uma sociedade tão violenta. Mas quando a gente fala do machismo não é contra o homem, é essa cultura de educação que a gente coloca o menininho como pode tudo, o menino é forte, o menino pode exercer qualquer esporte, qualquer atividade e a mulher tem que estar naquele papel de delicada, de minha princesinha, de brincar com coisas relacionadas a cuidar de bonecas, de brincar de casinha porque vai no futuro ser uma dona de casa. A gente não vai aceitar mais viver presa em uma cozinha, as LGBTQIA+ não vão mais ficar atreladas, em relação às questões trans, a viver em uma esquina, a estarmos presas em um armário, e a população negra não vai aceitar mais estar em um quartinho de empregada e ter trabalhos subalternos. Nós vamos sim ocupar todos os espaços na sociedade que sempre nos foram negados e negadas.

AjuNews: É possível afirmar que todos esses crimes que ocorreram em 2018 foram casos de homofobia?
Linda Brasil: O termo certo seria LGBTfobia. Existe a transfobia, é uma tem a ver com a identidade de gênero. Você nasceu e foi designada a um gênero que é dominante e você negar isso para querer ser uma mulherzinha. A misoginia é mais forte. Quando a gente vê esses casos de homofobia não é qualquer gay, é o gay afeminado, é a mulher lésbica que é de uma certa forma vista como macho. Então é o fato de transgredir essas regras de gênero que gera esses casos de violência contra a população LGBTQIA+. Então não é só a homofobia, mas a transfobia, a LGBTfobia, a questão das pessoas queers, não binárias, que não se encaixam nem em um gênero, nem no outro. Porque a gente vive em uma sociedade binária, nessa dicotomia, que tem que ser homem, ou tem que ser mulher. Tem que ser um macho, forte e violento que não aceita o fim de um relacionamento, porque é ele que decide. Ou então uma mulherzinha, passivazinha que tem que aceitar toda essa violência provocada por esse comportamento cultural do machismo, de que um homem é que domina a relação. E com certeza esses casos são subnotificados. Eu faço parte do movimento LGBTQIA+, tenho relação em duas ONGS bem fortes e bem atuantes. A gente percebe, é diário. São casos que não são relatados, casos que as pessoas se sentem com medo de denunciar porque existem casos de violência. Quando a gente fala de violência não pode ficar pensando só na violência física não. A violência psicológica é muito mais agressiva. Porque às vezes a violência física você pode até se defender, mas aquela violência diária, psicológica ‘você é uma aberração, você é uma vergonha’. Isso traz traumas irreversíveis para o resto da vida das pessoas LGBTQIA+.



Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso


Publicidade
Justiça

Por divulgação de obra no Japãozinho, Justiça determina que Edvaldo exclua vídeo das redes sociais

Justiça
Mais Lidas
Publicidade


Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.