Política


CPI da Covid aprova quebra de sigilo telefônico de Pazuello, Carlos Wizard, Ernesto Araújo e de mais 17 pessoas


Publicado 10 de junho de 2021 às 16:37     Por Dhenef Andrade     Foto Edilson Rodrigues/Agência Senado

A Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI) da Covid aprovou, nesta quinta-feira (10), a quebra de sigilo telefônico e telemático do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, da secretária do ministério da saúde, Mayra Pinheiro, conhecida como ‘Capitã Cloroquina’ e do empresário Carlos Wizard. Também foram aprovadas as quebras do ex-ministro das relações exteriores Ernesto Araújo e de Filipe Martins, assessor da presidência da República.

O sigilo telefônico se refere ao registro e a duração de todas as ligações feitas e recebidas conforme período delimitado pelos senadores. Já a transferência do sigilo telemático permite aos parlamentares o acesso de uma série de informações, entre elas cópias do conteúdo armazenado, lista de contatos, cópia de e-mails e localizações de acesso à conta.

Além das pessoas físicas, os senadores aprovaram a quebra de sigilo fiscal e bancário de empresas de publicidade. Com isso, a intenção é de apurar o disparo de mensagens em massa com conteúdos falsos sobre o combate à Covid-19 e quem teria financiado a propagação de Fake News. São elas: Associação Dignidade Médica de Pernambuco e das empresas PPR, Calya/Y2 e Artplan.

“São empresas que trabalham para a Secom [comunicação do governo]. Temos certezas de algumas coisas, não dá para falar aqui, mas vamos investigar”, ressaltou o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM).

Veja a lista completa das quebras de sigilos autorizadas:
Mayra Pinheiro, secretária do Ministério da Saúde conhecida como “capitã cloroquina”;
Filipe G. Martins, assessor especial da Presidência;
Nise Yamaguchi, médica defensora da cloroquina que fazia parte do chamado “gabinete paralelo”;
Francieli Fontana Fantinato, coordenadora do Plano Nacional de Imunização;
Antônio Elcio Franco Filho, ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde;
Zoser Hardman, ex-assessor especial do Ministério da Saúde;
Túlio Silveira, representante da Precisa Medicamentos;
Paolo Zanotto, médico;
Marcellus Campêlo, ex-secretário de Saúde do Amazonas;
Luciano Dias Azevedo, médico;
Hélio Angotti Neto, ex-secretário do Ministério da Saúde;
Francisco Ferreira Filho, coordenador do Comitê da Crise do Amazonas;
Francisco Emerson Maximiano, sócio da Precisa Medicamentos;
Flávio Werneck, ex-assessor de Relações Internacionais do Ministério da Saúde;
Camile Giaretta Sachetti, ex-servidora do Ministério da Saúde;
Arnaldo Correia de Medeiros, secretário do Ministério da Saúde;
Alexandre Figueiredo Costa e Silva Marques, auditor do Tribunal de Contas da União (TCU).

Leia mais
Rogério Carvalho repreende Queiroga após fala contra movimentos sociais: “pensamento autoritário”



Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso


Ao clicar no botão “Aceitar” ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.